A cidade de São Paulo é um polo econômico que atrai pessoas de diferentes cidades e estados em busca de estudo e oportunidades. Existem várias formas de se estabelecer na cidade. O maquiador Richard Cruvinel, que morou em uma pensão, diz que o sistema é vantajoso por ser rápido e sem burocracia. Segundo ele, o gasto é menor, cerca de R$ 400, e é possível conhecer várias pessoas. No entanto, ele destaca a falta de privacidade.

A estudante Liz Terra, por sua vez, mora em uma república e revela que os gastos mensais chegam a R$ 550. O preço é razoável pelo fato de se tratar de um apartamento na região central. A estudante ainda diz que morar em república é muito vantajoso para quem não gosta de ficar sozinha. O único contratempo é a diferença de temperamento de cada um, porém tudo pode ser resolvido com muita conversa.
Já a jornalista Natalia Julio vive sozinha há dois anos. Ela avalia que a opção é ótima para quem quer arrumar as coisas do seu jeito, ter sua rotina, decoração e tarefas. O preço médio das contas é de R$ 1000. Mesmo que a desvantagem seja a solidão, a jornalista revela que atualmente não moraria com várias pessoas por ter dificuldade de se organizar em conjunto.

Confira abaixo um relato dos três moradores, no qual eles revelam detalhes de sua opção de moradia:

“Dificuldades da pensão”
Nascido na cidade de Frutal, Minas Gerais, Richard Cruvinel morou em uma pensão no centro de São Paulo para frequentar o curso de Maquiagem Profissional na Faculdade Anhembi- Morumbi.

Ele achou a pensão – que fica no bairro da Bela Vista, perto da Av. Paulista – por intermédio de uma amiga. Por conta da localização, Cruvinel não acha o preço tão razoável. Eram R$ 400 mensais por um quarto com cama (na maioria das vezes dividido com um desconhecido), uma cozinha conjugada e poucos banheiros compartilhados entre os vários moradores.

Hoje ele mora sozinho em Barueri, na Grande São Paulo, onde está terminando o curso e trabalhando. Na cidade, ele diz que o custo de vida é menor, proporcionando assim o “luxo” da privacidade.

“Convivência na república”
A estudante de jornalismo Liz Terra, que nasceu em Curitiba, vive num apartamento de três quartos, na Bela Vista, ao lado de quatro meninas, todas estudantes. Ela divide um dos quartos com a amiga Larissa. Os outros quartos ficam com as demais moradoras. Liz mudou para São Paulo para frequentar a faculdade e contou que, nos primeiros meses, morou em pensão. “ Lá eu ficava muito sozinha, não gostava disso, quando as meninas resolveram morar em uma república eu aceitei na hora”.

O apartamento de Liz fica próximo à Avenida 9 de Julho e é bem perto da Avenida Paulista. A boa localização e o tamanho fazem com que o aluguel total seja de quase R$ 2000. No entanto, dividindo as despesas entre as quatro amigas e somando as contas de telefone, luz, água e energia o total resulta, em média, em R$ 550 por mês por cada uma.

“Morar sozinha para ter privacidade”
Recém-formada em jornalismo, Natalia Julio resolveu morar sozinha por uma questão de logística. “Meus pais moram em São Paulo, mas a casa deles era muito longe da minha faculdade e do meu trabalho, e, na época, eu trabalhava em Osasco e por isso perdia horas no trânsito”. Então, para facilitar as coisas, Natália resolveu alugar um loft na região central da cidade.

O apartamento tem um quarto, um banheiro e uma cozinha pequena e fica a duas quadras da Avenida Paulista. A localização, no caso, também é crucial para determinar o preço do aluguel. Natalia paga R$ 1000 por mês, incluindo condomínio e outras contas.

Fonte: http://noticias.band.uol.com.br/seu-bolso/noticias/?id=100000481086

Compartilhe

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhe no Linkedin
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhar no WhatsApp